Castelo de areia

>> sexta-feira, 11 de junho de 2010


Você já fez castelinho de areia na praia?
Baldes, colheres, idas e vindas até o mar buscar água. Choro quando o mar levava tudo embora, como se aquilo tudo lhe pertencesse.
Horas ali, sem pensar em nada, só vendo a alegria dos filhos.
Tempo bom não é?

Está com saudades?

Esses dias, passeando pela net, descobri os trabalhos de Richard Shilling e fiquei encantada! É como voltar na infância.
A proposta dele é transformar materiais naturais como pedras, folhas, gravetos em esculturas efêmeras que vão durar poucos minutos, horas ou alguns dias, até que o vento, o sol ou a chuva desmanchem as obras criadas.
E antes que as obras se vão, Richard captura as imagens em lindas fotografias.




E você, teria coragem de fazer alguma coisa desse tipo, usando os recursos que a nossa santa Mãe natureza nos oferece, mesmo sabendo que logo depois tudo será destruido?

9 comentários:

Deusa 11 de junho de 2010 16:17  

Nossa...vou tira umas horas hoje a noite para passear por aqui...tem de tudo...vou passar horas ótimas já percebi.
Linda e verdade...passa rapido demais...as vezes olho minha filhinha já com 5 anos e me da uma saudade dela pequenininha....mas e uma vitória...cada dia...uma vitória.
Ela teve uma indisposição alimentar,tomou soro no bracinho e eu quase tive um troço...rsrsrs...ela chorava e eu ficava zonza...precisei sentar...meu marido esta viajando e eu sozinha...
Tadinho do seu filho,embora hoje ele esteja grande,imagino a dó que te deu de ver ele mamando sentadinho...ser mãe e mesmo padecer no paraiso...porque e maravilhoso,mas tem hora que doi...doi mesmo viu.
Beijinhos
Obrigada linda
Deusa
vasinhos coloridos

Chica 11 de junho de 2010 17:54  

Lindos trabalhose valem a pena!beijos,lindo fds!chica

Chica 11 de junho de 2010 17:54  

Lindos trabalhose valem a pena!beijos,lindo fds!chica

Marliborges 12 de junho de 2010 11:53  

É intrigante, o que leva as pessoas a fazerem trabalhos assim, lindos e efêmeros? É o mesmo caso daqueles trabalhos em gelo, das esculturas na areia, das pinturas na calçada..., tem muitas coisas. Mas porquê? A alma humana é mesmo uma incógnita. Adorei o post amiga. Bom findi. Bjssssssss

Lúcia Soares 12 de junho de 2010 13:21  

Macá, eu faria, sim. Se ele fotografa, a obra ficou registrada. Deve ser o prazer de mexer em vários objetos para criar, o prazer de estar qo ar livre, o prazer de brincar com as cores...Tanta coisa leva o artista para um mundo quase só seu.
Gostei demais!
Bom fim de semana!

Veronica Kraemer 12 de junho de 2010 20:28  

Macá, eu prefiro coisas duradouras, acho que é coisa de taurino mesmo, né? Mas gosto de vender, presentear, contanto que tire fotos, fico feliz!!!
Venha me visitar sim, vou ADORAR!!!
Seu blog tá cada dia mais lindo!!!
Beijos
Vero

Tati Pastorello 13 de junho de 2010 20:43  

Oi Macá, e não é o que fazemos quando caprichamos num prato,enfeitamos, arrumamos, mesmo sabendo (e na verdade esperando) que não durará até a próxima refeição? Acho que fazemos isso no nosso dia-a-dia sem pensar: quando arrumamos a cama, quando colocamos flores em um vaso apenas para nossa família admirar... Tudo isso é tão efêmero, mas não deixamos de fazer. E nem fotografamos, muitas vezes...
Lindas as obras dele.
Beijos.

ONG ALERTA 13 de junho de 2010 22:23  

O castelo de areia é como a vida uma hora tudo muda de lugar...paz.
Um abraço Lisette

pensandoemfamilia 13 de junho de 2010 22:39  

Olá Macá

Seu post me fez lembrar da minha meninice e da meninice das filhotas.
Sempre gostei de fazer castelo na aréia e também na mente. Sonhava acordada antes de dormir. Na realidade, tudo na vida é muito efêmero. E, hoje, cada vez mais, procuramos fotografar cada momento.
Trabalho no consultório com fotografias e como elas trazem histórias.
bjs

Related Posts with Thumbnails