Blogagem Coletiva - Fases da minha vida

>> quarta-feira, 16 de março de 2011

À noite deitada em sua cama, se lembra da cara de felicidade de uma amiga quando soube que estava grávida e começa pensar se ela estaria assim também caso a gravidez fosse dela.
Não pensava nisso. Não se via mãe. E isso tinha começado já adulta quando teve que fazer vários exames para ver o porquê de a sua menstruação ser totalmente irregular. E o resultado: Uma gravidez seria muito difícil; pra isso acontecer teria que fazer tratamento.
Mas ela não pensava nisso ainda. Tinha começado a namorar sério fazia um ano e pouco e casamento não passava ainda pela sua cabeça.
Mas agora já estava casada há uns 3 anos, não tomava precaução nenhuma, afinal deduzia que seu corpo já era contracpetivo naturalmente. Um dia o marido sugeriu que talvez já estivesse na hora de pensarem num filho e ela então marcou consulta com o ginecologista. Mas não tinha começado o tratamento. Não sabia dizer o porque, mas sentia que talvez fosse melhor assim.
O tempo passou, a amiga teve o filho, um menino lindo e depois da licença maternidade quando voltou a trabalhar, o assunto era sempre o filho, fotos, as gracinhas, fotos e mais fotos.
Ela se sentia meio a parte disso tudo, não entendia direito como um ser tão pequeno podia ter mudado tanto assim a vida da amiga.
Mais um ano se passou, aquilo que era um prenúncio se tornou real quando ela e o marido resolveram se separar. Foi uma fase de muito sofrimento, afinal era uma ruptura, um desligamento, um término para uma coisa que prometia ser duradoura. Sofreram juntos, choraram juntos mas, acabou.
A vida tomou seu rumo cada um de um lado, a casa ficou silenciosa, mas com o passar dos tempo ela foi vendo que ficaria bem. Foi melhor assim.
Dois anos depois ela se pega pensando, cantando, se arrumando mais, se amando mais, se vendo mais alegre, mais feliz e é claro que isso tinha um nome: Paixão.
Uma paixão arrebatadora como ela nunca tinha sentido. Um coração a pulsar mais forte a cada olhar, a cada telefonema.
E depois dos primeiros encontros percebeu que aquela paixão poderia acabar mas que em seu lugar ficaria um grande amor. Amor que ela nem pensava existir.
Ela transpirava felicidade. Não conseguia disfarçar.
Então ficaram juntos. No início não na mesma casa. Mas dormiam juntos todas as noites em qualquer que fosse a casa. Trabalhavam juntos e dormiam juntos.
No início pensou em se precaver contra uma gravidez e começou a tomar pílulas, mas não se sentia bem tomando – no fundo achava que não devia, já que não ficaria grávida mesmo – e então parou. Depois pediu ao ginecologista colocar o DIU, mas logo depois resolveu tirar e resolveu também que não ia tomar nem usar nada. Esse mesmo ginecologista já tinha dito que a chance dela era 1 em 1.000 (ou um milhão, não se lembra) então, pra que se preocupar?
O atual marido nem pensava nisso porque tinha um filho pequeno do casamento anterior, então já estava bom demais.
Um ano e meio se passou nesse mar de felicidade. Gostavam de estar juntos, ele gostou de aprender a cozinhar e vivia inventando pratos, jantares surpresas.
Uma noite uma outra amiga do trabalhou disse que queria ir ao shopping comprar um presente, e a convidou. Foram e ela resolveu comprar umas peças de lingerie. Começou a experimentar e estranhou que o número usual estivesse ficando apertado.
Estou engordando, pensou e até chamou a amiga pra ver. A amiga falou, toda meiguinha que sim, olhando assim parecia mesmo que o peito estava maior, mas que o corpo não. Ela continuava magra.
No outro dia, logo de manhã ligou para o médico pedindo uma consulta de urgência, explicou o que era, e ele como já a conhecia há um bom tempo disse:
- Não se preocupe, não é nada grave. Isso deve ser displasia mamária......., em todo caso pode passar aqui à tarde.
Às 18 hs em ponto estava ela no consultório, ansiosa para saber do que se tratava. O médico então começou a examiná-la enquanto ela olhava pra ele toda assustada, até que ele virou pra ela sorrindo e disse: Hum.... acho que tem alguma coisa aqui.
Ela nem viu o sorriso dele, e ainda mais assustada perguntou: Como assim, alguma coisa?
O que é que eu tenho?
- Tudo bem, embora eu tenha quase certeza, você vai fazer um exame amanhã de manhã pra saber se é mesmo uma gravidez.
Gravidez? Como assim? Eu, grávida?
Foi pra casa atordoada com a notícia. Queria contar logo para o marido. Como ele reagiria? Iria gostar da notícia? Isso caso a notícia fosse real. Ela não acreditava.
Só conseguiu acreditar mesmo quando recebeu o resultado.

Não sabia o que fazer, se ria ou se chorava. Nunca tinha pensado nessa possibilidade.
Não tinha certeza de como reagir. E ela já estava com quase 10 semanas de gestação.
Mas foi percebendo que alguma coisa dentro de si mudava rapidamente, uma sensação maravilhosa, de plenitude, um sentimento forte que a fazia pensar só numa coisa - Um filho - e esse sentimento só podia ser Felicidade.
Não sabia o que era sentir isso antes, mas a partir daquele momento soube que só uma pessoa que vai ser Mãe, sente a vida dessa maneira.
Seus amigos, seus irmãos, sua mãe, seus sobrinhos, todos eles estranharam um pouco pois sabiam de seu problema, mas todos foram tão carinhosos, fizeram tantos elogios que ela se sentia no céu.
Pediu férias do trabalho e viajou com o marido. Queria fazer planos, escolher o nome.
E juntos escolheram: IVAN.
A cada dia que passava seu semblante demonstrava sua felicidade.
Teve uma gestação tranquila, sem problemas e com um peito vazando leite desde que estava com 5 meses.

No dia 24/04/90, logo de manhã, foi para o hospital porque já estava chegando a hora.
O Ivan nasceu às 12h05 de cesária e a emoção dela foi tanta, como tinha que ser.
Achava que seu maior momento de felicidade tinha sido quando se descobriu amando e sendo correspondida com o atual marido. Não podia supor que existia no mundo um sentimento de felicidade como esse que atravessava.
Logo depois do nascimento começou a amamentar, e o fez até ele completar 10 meses.
Deixaram a maternidade no dia 27/04 e seguiram para casa, para dar início numa nova etapa da sua vida.
Tinha certeza de que seriam felizes, os três, mais o filhinho Felipe do casamento anterior de seu marido.
E essa certeza se fez realidade.

Há uns dez anos, os quatro vivem juntos em plena harmonia, os meninos se dão maravilhosamente bem, são irmãos de verdade, se curtem, se apoiam, se ajudam.
E não é pra ser feliz com tudo isso?
Ah! ela só teve que se policiar para não ficar como todas as mães: fotos, gracinhas, mais fotos, beijinhos, novas fotos.
Algumas vezes....... até que conseguiu.


PS: Estava sentindo falta das blogagens coletivas, e mesmo atrasada resolvi participar desta, proposta pela Rosália do Espiritul-idade. Resolvi falar, não do meu nascimento (já faz muito tempo, não me lembro rsrsrsrsrs) mas sim do nascimento do meu filho, que foi o momento mais maravilhoso da minha vida. Essa história eu já tinha publicado anteriormente, mas como é uma coisa que me emociona muito, estou publicando novamente. Nos próximos participarei com histórias novas.

beijos

20 comentários:

Socorro Melo 16 de março de 2011 15:48  

Oi, Macá!

Não há maior bênção que a graça de ser mãe.
Linda a sua história, a do nascimento do Ivan.
Momentos assim são inesquecíveis, e lembrar deles, a qualquer tempo, é pura emoção.

Um grande beijo
Socorro Melo

Gina 16 de março de 2011 16:04  

Macá,
Já tinha lido essa história e você fez muito bem em resgatá-la para a coletiva.
A chance de 1 em 1 milhão agora tem nome e um rosto bonito. Pela foto dá pra ver a felicidade.
Também tinha feito posts falando do nascimento dos meus filhos em outras oportunidades, mas não queria repetir e acabei mudando o enfoque.
Você viu que maravilha foi essa coletiva? Quantas emoções?
Obrigada por fazer parte dela.
Bjs.

orvalho do ceu 16 de março de 2011 16:28  

Olá, Macá querida
Meu desejo de hoje é que uma chuva de bênçãos seja derramada sobre VC e outra chuva de pétalas de rosas orvalhadas...

Eu quando vi a foto linda reconheci a sua história no outro post seu mas até então estava lendo e achando lindo aparecer um caso aqui em nossa Coletiva que abarcou inúmeras questões distintas para nascimento... foi ótima a sua participação!!!
Atingiu a nossa proposta bem como os demais partipantes amigos...
Também fiquei feliz com a sua adesão...
Quero destacar o MILAGRE DO AMOR com que foi vc agraciada... Magnífico o Amor do Criador para com suas criaturas!!!

Carinhos fraternos em forma de orvalho sôbre pétalas de rosas...

Uma santa e abençoada Quaresma para VC.
Bjs natalícios

P.S. Demorei em responder ao seu carinho porque estou um pouco febril... são muitas emoções para um só coração...

Bordados e Retalhos 16 de março de 2011 16:49  

Acho que já li essa história linda aqui. Mas reli tudinho. Adorei de novo. Bjs

" ESSÊNCIA ESTELAR MAYA " 16 de março de 2011 20:00  

Olá Macá,

Me emocionei muito com sua Linda história.
Como a vida é sábia e sempre sabe o que é melhor para nós.
Muitas vezes queremos que tudo seja do nosso jeito, então começam as mudanças e não conseguimos entender.
Mas o Universo é perfeito, e acreditar e deixar tudo nas mãos de Deus, é o melhor que podemos fazer.
Confiar sempre...
Parabéns pela Maravilhosa história de vida.
Seu filho é um rapaz muito bonito.
Que sua vida seja sempre abençoada.
Um grande beijo em seu coração!!!

Maria Luiza 16 de março de 2011 23:12  

Macá, vc tem um lindo rosto de mulher ativa, resolvida e resoluta. Legal conhercer vc, um pouquinho através desse post falando do nascimento de seu filho Ivan. Quanto aprendizado tenho absorvido em dois dias. Muita beleza também em todas. Obrigada, viu Macá/ Adorei seu post, seu blog e vou seguí-la para firmarmos nossa amizade. Bjbjbjbj!

Beth/Lilás 17 de março de 2011 01:57  

Loira poderosa, que linda sua história e mais lindo ainda seu filhote!
Que garoto bonitão! Não é por nada, mas o meu também é. rsssss
Bem, deixando de lado nossas corujices, mas nossos meninos vieram para nos trazer alegrias na vida e vejo em seus olhos que isto é uma plena verdade. Que Deus os conserve assim!
beijos grandes, cariocas

chica 17 de março de 2011 06:43  

Uma história linda e que pdemos reler com prazer.Falar desses momentos nossos é lindo!beijos,chica

Elcio Tuiribepi 17 de março de 2011 08:14  
Este comentário foi removido pelo autor.
Elcio Tuiribepi 17 de março de 2011 08:20  

OI...mas que história mais bacana, ainda bem que a vida nos proporciona instante s assim, tão gratficantes e tão marcantes qu dá msmo vontade de compartilhar, como forma de agradecimento...
Bonito seu filho...que a felicidade permança rondando a sua vida em todos os momentos...parabén pela postagem
Um abraço na alma
Beijo

Iram M. 17 de março de 2011 11:47  

Macá valeu a pena repetir.
histórias assim são únicas. Adorei saber mais de vc.
Não tem outras histórias de sua vida a contar? Queria mais. Adoro histórias de vida

Um beijo

Renata 17 de março de 2011 14:26  

Macá,

Tenho certeza que voce se emociona a cada vez que conta essa história, ou que se lembra dela...pois não existe na vida de uma mulher emoção maior do que ser mãe.

Felicidades, e obrigada pela visita

um abraço,

Renata Boechat
www.eternosprazeres.blogspot.com

RUTE 17 de março de 2011 23:36  

Macá,
meus olhos encheram de água...
não só pela história tão bem contada, cheia de mistério, mas porque passou num ponto em que também tenho feridas (separação).

Enfim...o importante é que essa história tem final feliz. Afinal não é só nos filmes e nos livros, a vida real também tem finais felizes. yupi!!!!
Beijo além-mar.
Grata por compartilhar seus momentos intimos connosco.
Maravilhoso!
Rute

Gisley Scott 18 de março de 2011 08:02  

Olá Macá

Quero agradecer pela transparência e sinceridade narrada na sua história, que contou de forma tão bonita o nascimento de um filho:)! - estou feliz em saber que vc e seu atual marido e todos os filhos se dão super bem, nossa não tem nada melhor do que uma família bem unida.Não tem dinheiro, bens materiais, fama e status que pague o valor disso.

Felicidades e parabéns!

Zilda Santiago 18 de março de 2011 12:04  

Uma bela história com final feliz.Nós não sabemos,mas filho só vem na hora certa.Débitos resgatados,hora certa eles chegam e é só alegria curtição e muita gratidão ao PAI!!!!sigo-a com alegria!!!Bjs para a família feliz!!!!

Bel Rech 18 de março de 2011 15:33  

Olá,pela blogagem coletiva, temos o privilégio de conhecer muitas pessoas lindas e histórias maravilhosas...adorei...carinhos

Luma Rosa 19 de março de 2011 01:12  

Macá, lembrei de quando escreveu o texto pela primeira vez, mas não me lembro da foto e talvez até faça um comentário igual ao que fiz, porque não acredito em eventualidades, acho que tudo está escrito e foi assim ao encontrar o seu atual marido e com ele gerar um filho tão lindo, mesmo as chances sendo quase nulas de engravidar. Algo parecido com um milagre!! Beijus,

Flora Maria 24 de março de 2011 00:56  

Acompanhei com muita curiosidade sua linda história !

Já conheci vários casos assim, em que a mulher não pode engravidar e repentinamente surge um filho em sua vida. Mistérios de Deus...

Beijo

Eni 2 de abril de 2011 22:29  

Parabens, amo ler e ouvir essas trajetórias, pois mostram que nossas vidas são cheias de surpresas. E Deus é fantastico pois ele sempre nos pega no colo na hora certa... Parabens a vc e sua familia...

Carla 2 de agosto de 2011 19:28  

Querida Macá... Obrigada pelo seu recadinho, amei a sua história, linda de viver.
Um grande beijo
Carla
http://jeitofelizdeser.blogspot.com/

Related Posts with Thumbnails