Vaga para idosos

>> domingo, 20 de fevereiro de 2011

Ontem, como resolvemos ficar o final de semana em São Paulo, aproveitamos para fazer várias coisas. Meu marido acendeu o fogão de lenha pra fazer molho de tomate, fez um bobó de camarão que ficou delicioso, eu aproveitei para fazer uma receita de pão que descobri na internet (não gostei), achei que ficou muito massudo.
Mas como não só de comer engrandecemos a alma, resolvemos ir ao cinema em família - marido, eu, meu filho e a namorada - para ver O DISCURSO DO REI. Gente, não percam, o filme é maravilhoso e está indicado para o OSCAR como melhor filme, bem como os atores Colin Firth (excelente), Geoffrey Rush e Helena Bonham Carter (Elizabeth, a futura "rainha-mãe").
Não vi ainda os outros indicados, mas esse realmente tinha que ser. Então aproveitem e vão ver porque é um ótimo programa.
Mas ................ não foi por nada disso que estou escrevendo este post.
É o seguinte: o cinema que escolhemos ficava num dos shoppings da cidade (eu fui no Eldorado) e chegando lá, imaginem, sábado à noite, já estávamos imaginando dar várias voltas para achar um lugar, mas, logo na entrada encontramos uma vaga. Estacionamos e nos dirigimos para a porta de entrada do shopping, e aí notei que tinham algumas vagas vazias. Ah! mas não eram vagas comuns e sim de deficientes e de idosos. Então me lembrei de um amigo e por isso estou escrevendo.
Ele é uma pessoa maravilhosa, mas um dia conversando em casa, saiu o assunto de estacionamentos sempre lotados, que sempre temos que perder tempo procurando lugar para estacionar e ele disse: - Olha, eu sou uma pessoa que:
- procuro respeitar as pessoas, sejam elas de qual idade forem, mas tenho o maior respeito pelos mais velhos e pela sabedoria deles;
- se precisar, cedo passagem em filas, não sento nos bancos especiais do metrô, e se estiver num trem lotado, sentado em um banco normal e entrar uma pessoa mais velha, imediatamente me levanto e cedo o lugar;
- dou passagem no trânsito, não fecho cruzamento, respeito os sinais, a faixa de pedestres;
- respeito as vagas de deficientes em qualquer lugar, mas a de idosos, num shopping?
- Não respeito mesmo.
Primeiro: o que eles foram fazer no shopping? Passear, não foi? Vão ficar andando lá dentro como todo mundo, não vão? Então porque eles tem que ter uma vaga especial logo na entrada?
Segundo: Não é aconselhado aos idosos que eles devem andar? Que não podem ter vida sedentária? Então porque facilitar tudo?
Então, em qualquer lugar eu respeito, mas em shopping? Se eu não encontrar um vaga, estaciono na deles, sem culpa, sem remorso, sem nada.

Me lembro que no dia debatemos um pouco o assunto, dizendo que eles adquiriram esse direito por tudo que já viveram e outras coisas, mas não chegamos a um consenso.
E aqui estamos falando de "idosos" com mais de 60 anos. A lei seria para maiores de 65 anos, mas aqui em São Paulo foi igualada para 60. E vamos combinar que nos tempos de hoje, ninguém de 60 anos quer ser tachado de idoso, certo?

Então queria saber: você têm uma opinião formada a respeito? O que acham? Esse meu amigo está correto na sua convicção que defende tão bravamente? O que seus pais acham disso?
Adoraria ouvir (ler) a opinião de vocês.

Um beijo

15 comentários:

pensandoemfamilia 20 de fevereiro de 2011 16:41  

Oi Maca
Eu considero justa esta possibilidade da vaga do deficiente, se para nós que podemos nos utilizar de todos os nossos recursoss físicos para sair de carro consideramos horrível a busca incessante para estacionar. Como será para um deficiente? Possivelmente, se não encontrar por perto de onde vai, terá que voltar para casa frustrado.
Eu gosto de repeitar.
bjs

Ange Rocha 20 de fevereiro de 2011 18:20  

- Macá, eu acho que, se existem, são para serem respeitadas. Eu não me sinto confortável em burlar esse direito. Acredito que as pessoas idosas já estão calejadas, passaram por muitas coisas durante uma vida inteira. E, sendo assim, merecem todo o nosso respeito. Poxa, em shoppings, hj em dia, existem clínicas médicas. É uma comodidade para essas pessoas. Por isso, e por tantas outras coisas, eu acredito que devemos continuar respeitando esse direito do idoso em ter vagas privativas, mesmo em shopping.
Forte abraço, adorei seu blog!
Vou seguir agora! rs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez 21 de fevereiro de 2011 06:45  

desculpe a sinceridade das minhas palavras, o olhar pesado. mas o Brasil é tão esquisito!
aqui no Japão, com tanto idoso que tem, não há vagas especiais para eles, nada disso. o respeito é na atitude de cada um, na aposentadoria decente, no bom sistema médico, na segurança. fazer vaguinha, tudo isso é hipocrisia. fora que os velhinhos aqui, a maioria é ativa: muitos ainda trabalham em alguma coisa, tem sua vida social, até estudam!

vaga pra deficiente sim, há. é necessária. mas idosos geralmente estão saudáveis por aqui. e se não estão, alguém naturalmente cede a vaga ou ajuda, sem precisar de vaga reservada e discriminatória.

bjs

Adriana Alencar 21 de fevereiro de 2011 09:03  

Olá!
Cheguei aqui através do Pensando em Família e gostei muito do seu blog, estarei sempre passando por aqui.
Este filme está na minha lista, as críticas e comentários tem sido excelentes, assim como para o Cisne negro.
Beijo
Adri

Beta 21 de fevereiro de 2011 09:47  

Nossa Macá, tema complexo este ein!
Entendo o ponto de vista de seu amigo, mas acho que se a lei existe é para respeitar.
E ele tem que lembrar que em muitos shoppings tem atendimento de plano de saúde, às vezes o idoso vai lá para isso...

Mesmo assim, temos que respeitar não é?
Hoje a pessoa de 60 não é mais o vovozinho ou a vovozinha de 20 anos atrás, mas seu corpo não deixa de ter 60 anos né?
É bom termos respeito...

bj

Beth/Lilás 21 de fevereiro de 2011 10:01  

Poxa, questão complicada esta, principalmente depois do comentário do querido Alexandre, pois considero também que a hipocrisia brasileira está bem exposta nestes casos!
Se o idoso for deficiente, aí sim, precisará uma vaga, mas se está apto a dirigir, tudo bem com as pernas,visão e outros sentidos, pensando bem não há necessidade de uma vaga especial nestes casos.
bjs cariocas

Lenita Vidal 21 de fevereiro de 2011 10:20  

Bom dia amiga linda!
O filme, pretendo assistir, apesar de ter ouvido falar que nem é um dos melhores, como gosto do estilo e do artista, vou.

Sobre vaga para idosos...
Criaram um cartão para usar em vagas para deficiente e idoso, parece que é nacional, onde você estiver usando uma vaga dessas, precisa obrigatoriamente ter o cartão, do contrário poderá receber uma multa na sua casa.
Minha mãe, além de idosa (70anos) é deficiente física, tem o cartão e não vou concordar com seu amigo, pois no caso dela, QUANDO não tem uma vaga para deficiente (algumas pessoas usam vagas de deficientes também, sem precisar), terei que usar a de idoso, que muitas vezes está ocupada indevidamente.
E por favor, reporte para o seu amigo, que SIM eles passeiam no shopping e é uma das poucas diversões, já que não é possível passear na praias com cadeira de rodas, nem fazer passeios na rua, pois as calçadas são irregulares.
Então se o seu amigo fizer o favor de respeitar alguns idosos que ainda dependem da vaga, agradeço em nome de outros na mesma condição.
E se ele observar que há milhares de vagas em um estacionamento e somente umas dez especiais em cada porta de shopping, fica meio desproporcional.
Mas... que ele continue usando vagas até o dia que se sentir passado pra trás, por alguém que como ele usou uma vaga especial.
Desculpe usar seu post pra desabafar, mas foi mais forte que eu, além de ser discutível o assunto.
Beijos, tenha um dia colorido.
Lenita

Patricia Daltro 21 de fevereiro de 2011 14:30  

Eu acho que tem que ser respeitada sim. Já vivemos em um país com tanta injustiça social, que pleitear por cinco, dez vagas de idosos, é quase mesquinharia.
Sim, idosos passeiam nos shoppings, por que não passeariam? E apesar disso, tem mais dificuldade de andar, por isso, vagas reservadas normalmente são mais próximas as entradas.
Para que as vagas restritivas acabem, é necessário uma mudança de mentalidade, que entenda e respeite as pessoas com necessidades especiais, seja ele, idoso ou deficiente. E, intelizmente, ainda estamos longe dessa mudança de mentalidade.

Cantinho She 21 de fevereiro de 2011 15:49  

Oi querida! Adorei o seu post, pois é vi essa novidade tb por esses dias aqui no Rio, eu sinceramente, apesar de ser uma pessoa questionadora por natureza, não questiono esse tipo de coisa. Desculpa, mas achei contraditório do seu amigo respeitar os idosos em todas as outras situações, menos nessa vaga em shoppings... O que eles vão fazer lá é o que menos interessa pra gente, o que interessa é respeitar o ser humano, e se os respeitamos em fila de banco, metrô e etc, por que não respeitar tb o espaço deles em vagas para eles? Não consigo enxergar onde que é diferente?
Mas enfim, respeito o seu amigo, é apenas a minha mais humilde opinião...
Beijo, beijo!
She

Marli Borges 22 de fevereiro de 2011 11:39  

Oi Macá
A respeito das tais vagas para idosos, ressalvo o comentário do meu amigo, Alê, pois considero que ele intitule esses benefícios como hipocrisias porque onde ele vive, (no Japão), há outra mentalidade, outra cultura, outro senso de dignidade. Mas nós aqui, na nossa vidinha de Brasil, o caso é diferente. Em que pese a hipocrisia aos olhos de outras culturas superiores, penso que nós, por aqui, temos mais é que respeitar as leis. E se foram editadas leis dessa natureza é justamente para evitar que pessoas com esse tipo de pensamento enviesado, como seu amigo, acabem por fazer justiça com as próprias mãos, em repúdio ao Direito, dado o grau de subjetividade que preside as decisões individuas em casos que transitam nessa seara. E se for o seu amigo a decidir, então, os idosos que fiquem em casa, nada de passeios em shoppings. Onde já se viu?!!!

A propósito, porque os idosos não podem passear nos shgoppings que perdem seu direito a tratamento especial? Por acaso eles deixam de ser idosos quando passeiam em shoppings? Que bom, vou viver passeando... e rejuvenescendo, rsrs.

Para que a evolução seja tal, a ponto de não haver mais a necessidade das as vagas especiais, precisamos antes uma mudança radical de mentalidade, a começar pelas crianças, para que cheguem à adultez pensando e agindo diferente do seu amigo, que tenham outro pensar a respeito de seus semelhantes e da humanidade em geral. E principalmente que entendam e respeitem as pessoas que vivem em situação-limite, como os idosos, gestantes e deficientes.
Desculpe o comentário gigante, mas tenho sessenta, sou idosa, trabalho e vivo no Brasil, numa terra que, lamentavelmente ainda é berço de pessoas que condenam os idosos a ficar longe dos shoppings. Eu hein, rsrs!! Bjsssssss

Iram M. 22 de fevereiro de 2011 12:29  

Aqui em Viena também não tem vaga para velhos e se tivesse acho que eles não iriam gostar desse privilégio, mas se no Brasil tem, por que não respeitar? Ou será que tem só pra ter mais uma lei a ser descumprida.
Sei lá, viu! Complicado, né Macá?

Beijo, querida

Fernanda Reali 24 de fevereiro de 2011 10:41  

Concordo com a Pat Daltro em manter-se este direito.

É mesquinharia exigir as 5 vagas de idosos quando o shopping tem 600 vagas ou mais. O percentual para deficientes e idosos é tão pequeno que não afeta as pessoas que querem estacionar nas vagas comuns.

Acho 60 anos muito jovem para ser considerado idoso no séc XXI

beijooo

Eduardo 19 de outubro de 2013 23:27  

Puts, quero que esse animal viva até os 120 anos, tenha uma bela artrite e aí ele poderá se lembrar desse comentário asinino. Ou melhor ainda, que os pais dele sofram uma queda na entrada do asilo, já que eles n>ao devem ir aos shoppings e sim ficar jogando caixeta ou tricotando.
Vá se catar, seu mala!

Related Posts with Thumbnails