TABU

>> terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

"Há mulheres mais velhas que não se preocupam com a idade do parceiro. Vivem seus desejos"

(vou confessar: eu sou uma delas)

ELA TEM QUASE 50 anos, mas aparenta menos.
Ele tem mais de 30, mas os amigos dizem que é um velho.
Conheceram-se em uma reunião de trabalho. Conversaram, riram, flertaram.
Ele ficou bem interessado. Ela é inteligente, bem-sucedida, sensual. Ela ficou atraída por ele. Ele é inteligente, charmoso, gentil.
Ele a convida para jantar.
Ela fica desconcertada e não responde. Nunca saiu com homens mais jovens.
Sempre se interessou por homens mais velhos.
Fácil entender os motivos pelos quais os mais velhos a atraem: são mais seguros, poderosos, experientes.
Difícil entender os motivos pelos quais ele se interessa por uma mulher mais velha.
Ela nunca se perguntou: por que um homem se interessaria por mim? Agora pergunta: por que um homem mais jovem se interessaria por mim? Por que ele se interessaria por mim, com tantas mulheres mais jovens disponíveis? Não consegue entender as razões de se sentir, pela primeira vez, uma velha.
Nunca, antes, tinha se pensado como um número dentro das estatísticas segundo as quais "falta homem no mercado", especialmente para mulheres de sua idade.
Pensa que muitas mulheres, até mais velhas do que ela, não se preocupam com isso. Simplesmente vivem seus desejos sem se preocupar com convenções sociais ou a opinião dos outros. Mulheres que não se rotulam como velhas. Mulheres que se sentem únicas, especiais, interessantes.
Mulheres que não se colocam como uma mera estatística em um mercado cruel. Seu campo de possibilidades no campo dos relacionamentos torna-se cada vez menor, enquanto que o dos homens de sua idade se amplia cada vez mais.
O peso de fazer 50 anos tornou-se maior ao perceber que não se sente mais atraída por homens mais velhos. Os de sua idade estão casados ou namorando mulheres muito mais jovens do que ela.
Ela se sente impedida de se relacionar com os mais jovens. Não tem encontrado homens interessantes para sair, conversar, namorar.
Pensa que, pela primeira vez na vida, acha um homem mais jovem tão interessante.
Ela tem consciência de que é poderosa objetivamente.
Tem um belo apartamento, um excelente salário, reconhecimento profissional. Sabe que ainda é bonita. É magra, delicada e feminina. Não tem medo da opinião dos outros. Não tem vergonha do seu corpo. É outro tipo de vergonha. Sente-se, subjetivamente, uma velha.
Ele a vê como uma mulher muito atraente.
Ela o vê apenas como um homem mais jovem.
E agora?

MIRIAN GOLDENBERG, antropóloga e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, é autora de "Intimidade"(Record) 
----------------------------------------------------------------------------------------------
A minha história não é essa, ela é igual apenas na parte de estar com um homem mais jovem. Mas eu nunca pensei nisso, e na época, quando todos foram contra (todos mesmo, incluindo aí família e amigos) eu resolvi assumir o sentimento, enfrentar o negativismo das pessoas, e pensar somente em nós e no que eu imaginava que seria uma vida feliz.
Isso foi há 23 anos atrás e ainda não tive motivos pra me arrepender.

beijos

21 comentários:

Morbid_Angel 15 de fevereiro de 2011 21:10  

Esse assunto foi debatido no seriado Brothers & Sisters, qndo a protagonista Nora Walker, interpretada pela atriz Sally Field, teve um homem de uns 20 anos a menos q se interessou por ela. Ela fiko transtornada, preocupada com o q iam achar e ele disse q pensar assim eh como viver trankdo numa caixa. O q eu concordo.
O q os homens veem nas mulheres mais velhas??? Inumeras coisas poderia citar,os kras mais velhos se aproximam das mais jovens, penso eu, q eh pra se sentirem jovens tbm, pq os mais velhos sempre tem uma vivencia maior e naum sei como alguem suporta conviver com alguem com mto menos experiencia de vida. Soh pode ser pelo ego.
Tenho 20 anos e digo, nunk, NUNK msm namorei nenhuma guria mais nova q eu, ou tinha minha faixa etaria ou mais velha, como eh o kso agora (naum mto mais velha, mas mais velha)
Se tu for viver a tua vida pelos outros, tu naum vive naum. Seja sempre feliz, assim, como eh agora.
Eh soh isso q importa, kda um cuide de si.

pensandoemfamilia 15 de fevereiro de 2011 22:11  

A idade é muito menos importante do que as afinidades e estilo de vida. Há jovem velho e velho jovem em seu pensar e agir.
Todo relacionamento é construlção e os ingredientes significativos são aceitação, respeito e cumplicidade.
bjs.
Amanhã tem pergunta por lá...Dá uma espiadinha, não é bigbrother,rs,rs, mais vale a pena...

Isadora 15 de fevereiro de 2011 23:27  

Oi Macá estamos por aqui para rompermos com padrôes, para descobrirmos o que realmente nos faz feliz e perseguir a felicidade onde quer que ela esteja. Independente de idade, cor, credo. Nada disso tem importância quando se tem amor.
Um grande beijo

Beth/Lilás 15 de fevereiro de 2011 23:49  

Ah, Macá, mas uma loirona dessas está muito melhor que certas gatinhas por aí, fala sério!
Pois eu vou te confessar uma coisa também (sou mais velha 3 anos que meu marido e nunca ninguém notou).
E este sorriso seguro de felicidade é muito mais bonito que tudo nesta vida.
beijinhos cariocas

Regina Coeli 16 de fevereiro de 2011 08:18  

Olá minha Querida Menina,

Estou em falta com você!!!
Não gosto de visitas apressadas, gosto de chegar devagarinho e deixar meu rastro com calma...
Relacionar bem, independe da idade...
A relação a dois é algo mágico que precisa ser construído no dia-a-dia...
O que vale é se sentir bem ao lado do outro...
Isso independe de idade, cor, religião e até classe social.
Vocês formam um lindo casal e ao que percebo de bem com a vida, melhor??? Não precisa!!!
Beijinho carinhoso.
Regina Coeli

Suzete Retti 16 de fevereiro de 2011 08:42  

Oi Macá,
O que importa em um relacionamento o que importa é o respeito e a compreensão que um tem pelo outro, minha mãe era mais velha que o meu pai, minha nora é mais velha que meu filho e minha filha é mais velha que meu genro, no meio de tantas diferenças de idade só posso dizer Viva a diferença. Ame e deixe-se amar.Bjs.

Nilce 16 de fevereiro de 2011 08:53  

Ainda bem Macá, que vocês foram até as últimas consequências pensando na felicidade.
Regras para o amor não existem e vocês são um belo exemplo disso.
Se não arriscassem nunca saberiam se poderia dar certo ou não.
Felicidades mil para vocês, querida.

Bjs no coração!

Nilce

PS: E quer saber você está muito linda. Parecem que têm a mesma idade.

Beta 16 de fevereiro de 2011 09:02  

Eu não vejo nada de mal nesses relacionamentos.
O importante é você estar bem e feliz...

Hoje não podemos nos prender à preconceitos bobos, né?

bj

Gina 16 de fevereiro de 2011 17:59  

Pequenas diferenças são imperceptíveis.
Conheço alguns casais que viveram juntos até a morte com uma diferença de 30 anos.
Se a gente parar para refletir, existe alguma garantia de felicidade, cumplicidade, satisfação quando as idades são próximas??? Também não.
Você mesma levantou vários quesitos que atraem um ao outro.
No passado, confesso que jamais me passaria pela cabeça me relacionar com alguém mais jovem ou muito mais velho, sinceramente.
Boa reflexão!
Bjs.

Cris França 16 de fevereiro de 2011 18:28  

Maca

estou no ápice da correria, mas li até antes do teu e-mail, adorei!
Creio que a gente não tem que estar com um homem, porque ele é mais rico, mais bonito, mais inteligente, mais novo ou mais velho, a gente tem que estar com quem nos faz bem, e quem não faz a gente precisa deixar passar.

felicidades para você sempre
bjs no coração

Gloria Maria Chimenti 16 de fevereiro de 2011 18:32  

Querida Macá, sinceramente? Acho que amor não tem receita.Pra um relacionamento dar certo basta haver amor e investimento emocional....o resto é o resto e independe de idade cronológica, vc tá lindona e com tudo em cima. Dá pra ver que ama e é amada. Isso é o que realmente importa! beijos,

Iram M. 16 de fevereiro de 2011 20:02  

Parabens Maca!
LINDA HOMENAGEM A ESSE DIA:
´Meu marido é mais velho que eu oito anos e o vejo mais jovem que eu dez anos, pois o que conta mesmo é o amor e o respeito.

Vc é linda!

Julio 16 de fevereiro de 2011 22:36  

Diferença de idade? Que diferença de idade? Acho que sou uns 16 anos mais velho que você. Afinal quando eu te olho, só vejo aquela moça de 34 anos que eu conheci. Mudou alguma coisa?

Denise 17 de fevereiro de 2011 00:10  

A idade está na cabeça das pessoas, o coração não obedece a esses critérios - ele só sabe amar!

Bjos

Astrid Annabelle 17 de fevereiro de 2011 09:38  

Macá querida, faço eco aos demais.
O que importa é o amor, o sentir-se bem um ao lado do outro...o resto é resto!
Você está linda na foto...
Beijão
Astrid Annabelle

Gamela 17 de fevereiro de 2011 11:33  

Fui educada sobre forte pressão machista e preconceituosa.
Mas, graças à Deus, sou desprovida de qualquer preconceito.
Acho que já nasci assim.
Não vejo as pessoas pela idade, pela cor, pela condição social, pela religião e muito menos pela opção sexual.
Meus filhos ainda são pequenos.
Não os batizei em igreja alguma.
Se apaixonarem por pessoas do mesmo sexo, não vejo problema nisso.
Se me apaixonasse por um homem mais novo ou por uma mulher, não veria problema nenhum, juro!!!!
Sempre levei em conta a PESSOA.
A idade, a cor, a opção sexual, a religião é um mero detalhe burocrático.
Não faz parte do que realmente o coração sente.
Desejo à você e todas as pessoas que agem com o coração,que continuem muito felizes.
Um beijo no seu coração.
Te adoro.
Fátima.

Fernanda Reali 17 de fevereiro de 2011 20:18  

O que importa é o conteúdo de quem se ama. Idade - velho ou novo, cor - branco ou preto, gênero- masculino ou feminino, tudo é casca. Tem que ver o conteúdo.

Amo amar e ser amada. Não faço nenhum tipo de objeção com características exteriores.

Concordo com a Fátima e tento viver combatento qualquer tipo de preconceito.

A gente ESCOLHE ser feliz. O resto é detalhe.

(Parabéns! Estás linda e sexy, deixando evidente que tu te amas e te cuida bem)

Julia Vieira 18 de fevereiro de 2011 00:33  

Boa Noite Macá,

Todos os dias leio os seus posts aqui no sossego da madrugada. Tenho estado com uam gripe/virose e marido fez cara feia quando edu disse que vinha um pouco para aqui. Valeu a pena não é meu hábito comentar os seus posts mas este menina bateu os pontos. Nota 10. 1º porque eu já entrei na idade da personagem e apesar de ser casada às vezes dou comigo a pensar como seria se não fosse marido é oito anos mais velho que eu casei com 20, mas é o que diz o seu post agora se estivesse só penso que não ia olhar para homens mais velhos e querer da minha idade ou mais novo. Sabe amiga a idade vem para os dois mas nós envelhecemos menos. Continuamos ouvindo música alegre, apesar de gostarmos de música clássica, lemos um livro de um grande escritor mas também nos entretemos com um mais soft. Tratamos de nós e acima gostamos de nós. Penso que essa segurança essa forma positiva de estar na vida é que atrai a malta mais nova, ao mesmo tempo que já temos aquela formação que a vida nos deu.
Vou ficar por aqui.
Continue com este tema ou outros que goste, eu estarei aqui para aler.
Beihos
Júlia/aqui em Lisboa

Leticia 18 de fevereiro de 2011 12:10  

Macá
Demorei mas cheguei... tava tudo tão corrido por aqui, q te entendo que não dá tempo de passar nos blogs!
Eu já namorei pessoas mais novas, mas casei com um homem bem mais velho que eu (16 anos). Cada vez menos acho que a diferença de idade é fato relevante... acho que existem coisas que importam mais.
Eu acho bacana tudo isso! Eu tb enfrentei dificuldade na minha familia pela diferença de idade, mas hoje não existe mais...
Beijos
lelê

PS> amiga, vc fotografou o banheiro??? rssss.

Luma Rosa 18 de fevereiro de 2011 22:40  

Macá, convivi a vida toda com a diferença de idade do meu pai e da minha mãe e sei que a idade cronológica nada tem a ver com a espiritual. Pessoas de espírito jovem custam a envelhecer, como se a alma iluminasse a superfície!
Minha mãe se casou com meu pai em 1960 - ela tinha 35 anos e ele 20. Foi um escandâlo na época e quem fez o casamento foi o meu bisavô, porque a minha avó chegou a deserdar a minha mãe. Minhã mãe teve o primeiro filho com mais de 40 anos - naquela época - e eu sou a rapinha de tacho - ela me teve com 58 anos.
Lembro dos saraus em minha casa - papai tocando violão e mamãe dançando! Estavam sempre juntos e, veja bem como é a vida: mamãe enviuvou e fazia troça com isso! O bom humor nunca a abandonou.
Almas afins, acredito muito!!
Desculpe o "testemunho", mas queria ilustrar com uma história de amor muito bonita!
Bom fim de semana! Beijus,

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez 19 de fevereiro de 2011 01:15  

primeiro: o dia que o povo pagar suas contas, te resgatar na enchente, te dar asas pra voar ai sim vc dá ouvido para o que eles falam!

senão, viva sua vida e que CADA UM TOME CONTA DE SEU RABO! Povo dos inferno.

cansei de ver casos assim, na minha família tem vários e estão felizes. minha tia é casada há tantos anos com um homem mais jovem...e as outras, que casaram "certinho, com homens dignos e maravilhosos" se phoderam (desculpa hj o palavreado, mas não encontrei outra palavra rs).

odeio essa gente desocupada que fica tomando conta da vida dos outros. vc, que se relacione com quem vc achar que deve, ninguém tem NADA que palpitar nem dar nota.

e seja sempre feliz, o resto a gente corre atrás.
bjs

Related Posts with Thumbnails